25 de julho de 2008

Os seres humanos são como os rios.

Um dos preconceitos mais arraigados e difundidos consiste em crer que cada homem possui certas qualidades definidas: que é bom ou mau, inteligente ou estúpido, enérgico ou apático, etc. Ora os homens não são assim. Podemos dizer que um ser humano se mostra mais frequentemente bom ou mau, mais inteligente que estúpido, mais enérgico que apático, ou a inversa, mas será sempre mentira se dissermos que é sempre bom ou inteligente, mau ou estúpido. Os seres humanos são como os rios: a água é igual em toda a parte mas cada rio tem as suas peculiaridades; pode ser estreito, largo, tranquilo, de curso rápido, água limpa ou turva, fria ou morna. Acontece o mesmo com as pessoas. Cada pessoa traz dentro de si o germe de todas as qualidades humanas e por vezes revela umas, por vezes outras. Em alguns homens estas mudanças costumam ser muito bruscas.

- Leon Tolstoi (Ressurreição I. Porto: Civilização, 1999, p. 281)

Nenhum comentário: