19 de agosto de 2012

Precisamos Sempre De Alguém - Legrand



Era uma vez uma cadeira. Velha, vacilante, em péssimo estado de conservação. Sua pintura estava toda enrugada, gasta, a cor desbotada. Verdadeiramente um desastre! Não podia mais sustentar o próprio peso, que aumentava de ano para ano. Arranhões, sujeira, manchas, pés frágeis, pedaços quebrados. Não chegava mesmo a se lembrar de sua beleza primitiva. Uma camada de pintura, após outra, era toda a sua vida passada. Parecia tão mal que alguns sugeriram até cobri-la para não ferir a visão dos outros.


Vez por outra, uma nova retocada na pintura, melhorava. Depois, novamente, rachava e descascava de alto a baixo, tornando-a pior que antes. Era preto em cima de vermelho, azul, verde, branco, amarelo camada sobre camada. Pobre cadeira! Como se lembrar de como era, sob tantas camadas sucessivas de pintura?


Um belo dia, entretanto, ela se viu entre as mãos de um marceneiro. Não sabia mesmo como havia chegado lá. Havia sido triste ter chegado ali na pressa, aos empurrões e sacudidas no fundo de um caminhão. Mas, enfim, já que estava ali. Não queira, porém, prestar atenção em nada. Afinal, já havia passado por tantos lugares mais ou menos idênticos.
O marceneiro tomou a cadeira e lavou-a cuidadosamente. Havia algo no seu jeito que intrigou a cadeira. Aí, deixou passar e se resignou ao perceber uma nova camada de pintura. E como doía! A cura, entretanto, estava nestas mãos que a machucavam.

Pacientemente, o marceneiro ia de camada em camada, cantarolando para ela: "Cadeira, o marceneiro te conhece, tua real beleza, ele a conhece, ele sabe que tu não és irreparável, senão pela graça de teu cuidado amável". O canto acalmou um pouco a cadeira. Ela não sabia, porém, o que pensar. O que estava acontecendo? Por que parecia mais pesada? "Eu não agüento mais", pensava ela, "parem com isso, cubram-me, deixem-me só". Dia após dia, contudo, o marceneiro
perseverava.


Oh! Sim, por vezes dava alguns dias de repouso à cadeira. Que alívio sentia, ainda que estivesse terrivelmente consciente de que faltava muito em seu caminho.
Dolorosamente, o marceneiro foi atravessando, pouco a pouco, o preto, o vermelho, o azul, o verde, o branco. A cadeira percebeu, então, uma mudança no modo de agir dele. Sempre cheio de cuidados, tornou-se mais cuidadoso ainda para evitar qualquer ferimento.

Na última camada, o amarelo, quando este começou a sair, a cadeira, num primeiro respiro vital, teve uma idéia do que se encontrava debaixo. Não tinha mais pintura, mas madeira. Madeira maravilhosa. Começou, assim, a compreender a ação do marceneiro e porque seu tratamento havia mudado na derradeira camada: para não atingir a bela madeira que se revelava agora.

A cadeira estava apressada no desejo de se ver melhor. Pouco apouco, a madeira apareceu plenamente. Que sensação de prazer e glória! Que revelação! Ela cantava e dançava alegremente. Com esse sentimento, abandonou o marceneiro para viver livre da pintura, livre para ser ela mesma. Enfim, não tinha mesmo necessidade dele! A vida parecia como uma realidade nova, excitante, pela primeira vez depois de muito tempo.

Aos poucos, entretanto, os sinais de glória se dissiparam. Às vezes, passava pelo marceneiro e via que outras cadeiras, mesas, móveis se reconstituíam por suas mãos para reencontrar seu esplendor natural. Pareciam, mesmo, refletir a beleza do próprio marceneiro. Era estranho constatar que não havia percebido, antes, como sua madeira era rústica e sem brilho.
Humildemente, voltou ao marceneiro e passou muito tempo com ele. Em lugar de ocupar-se com milhares de coisas, permanecia ao seu lado. Num certo dia, ele lhe disse: "Penso que você está preparada". Tomou-a, novamente, e a esfregou com uma lixa (e como machucava!). Só agora, porém, sabia que o marceneiro era conhecedor do seu trabalho. Ele esfrega, pega outra lixa, mais fina ainda. E como foi bom desta vez! Jamais sentiu massagem tão agradável!
Em seguida, ungiu-a com uma estranha substância que realçou a cor da madeira e sua beleza, acrescentando-lhe um toque delicado, doce, acetinado. Ela jamais se imaginou tão bela! Por orgulho, a cadeira chamou alguém que passava para sentar-se, mas quase se quebrou toda, esquecida da fragilidade de suas pernas. Amedrontada, correu para o marceneiro que a fez esperar um momento, para fazê-la tomar consciência de sua própria fraqueza. Depois, colou-a com solidez, comunicando-lhe um pouco de sua força.


Alguns dias, mais tarde, olhando-se, a cadeira percebeu alguns riscos, um pouco de poeira aqui, um ponto manchado ali. Foi tomada pelo pânico; um velho medo vindo à superfície, com a idéia de ser recoberta de pintura. Desesperada, agitou-se. Depois, parando, olhando longamente o marceneiro, veio-lhe a luz definitiva. Tinha necessidade dele não somente uma vez, mas para sempre. Havia sido restaurada e era através dele que poderia continuar a crescer em beleza. Precisava ser desempoeirada por ele, limpa, lixada, para guardar sua solidez. Sim, já não era possível pensar em levar uma vida independente, mas também não precisava mais temer as camadas de pintura.


"O ser humano é o único ser que busca independência e, ironicamente, ao mesmo tempo, precisa do apoio, do afeto e do carinho de alguém que lhe cuide bem. "

Nenhum comentário: