23 de novembro de 2009

A vida é curta!



" ...perdoe rapidamente,beije lentamente, ame de verdade, ria , aproveite bem a vida,nao deixe algo de bom na sua vida passar em branco, faça acontecer, e nunca pare de sorrir, por mais estranho que seja o motivo."





‘’Escolho meus amigos não pela pele, mas pelos olhos. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero respostas. Quero meu avesso.Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim. Para isso só sendo louco.Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta, não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.Amigo que não ri junto não sofre junto. Metade bobeira, metade seriedade.Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e a outra velhice! Criança para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem sou, pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que normalidade é uma ilusão imbecil e estéril.’’

Oscar Wilde


Uma coisa que eu aprendi na vida: Deus não te tira as coisas, Ele te livra delas.
Por que carinho só faz bem...




18 de novembro de 2009

A Lista Oswaldo Montenegro






Faça uma lista de grandes amigos
Quem você mais via há dez anos atrás Quantos você ainda vê todo dia Quantos você já não encontra mais...


Faça uma lista dos sonhos que tinha Quantos você desistiu de sonhar! Quantos amores jurados pra sempre Quantos você conseguiu preservar... Onde você ainda se reconhece Na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria Quantos amigos você jogou fora?


Quantos mistérios que você sondava
Quantos você conseguiu entender? Quantos segredos que você guardava Hoje são bobos ninguém quer saber?
Quantas mentiras você condenava? Quantas você teve que cometer?


Quantos defeitos sanados com o tempo
Eram o melhor que havia em você? Quantas canções que você não cantava Hoje assobia pra sobreviver?
Quantas pessoas que você amava Hoje acredita que amam você?


10 de novembro de 2009

5 de novembro de 2009

Aprendendo a Valorizar





Pequenos gestos podem revelar grandes questões



Vivemos em uma sociedade que está se tornando cada vez mais 'antropófaga', não no sentido de antropofagia literária e cultural da Semana de Arte Moderna de 1922. O ponto aqui, são pessoas devorando-se mesmo, atropelando-se, sufocando-se mutuamente nos negócios, nas amizades, nas famílias e até nas igrejas. A competição e o ciúme selvagem têm drenado toda energia e a transformado em ácido que corrói os relacionamentos.


Se alguém recebe mais atenção, se torna alvo de inveja. E por outro lado, o invejado se sente superior, esquecendo-se de que a vida é como uma gangorra - quem sobe desce, e quem desce, sobe e as situações de inveja também se invertem.


E são esses os sentimentos nobres que habitam em nossos corações a maior parte do tempo. Mentira??? Verdade!!!


Não é agradável fazer esse 'Raio X', mas é necessário que tenhamos a conscientização, a percepção de nosso conteúdo para que possamos entender o motivo de Jesus ter vindo morrer na cruz por nós.


2 Coríntios 5.21 diz:


'Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus'.


Ou seja, enquanto acharmos que somos íntegros, puros, não vamos correr para a fonte do perdão: Jesus. Somente quando nos deparamos com a verdade sobre nós mesmos é que partimos em busca de uma solução. E essa solução já foi providenciada por Deus quando enviou seu próprio filho para nos substituir na cruz. Deus aceitou o sangue ali derramado. Resta-nos, então, estender as mãos e agarrar essa solução. Receber o que ele fez por nós, ser gratos e procurar viver de forma que o agrade. Esta, em resumo, é a doutrina da salvação.


Porém, não vivemos de forma contemplativa ocupando nossa mente só com esse assunto, apesar dele ser fascinante. A vida é prática, ativa. Como aplicar esse contexto no dia-a-dia? A salvação nos mostra que Deus nos ama, e nós devemos, também, demonstrar aos outros nossa apreciação por eles. Essa pode ser uma forma de 'praticar' esse princípio. E ao agirmos assim, estaremos incentivando as pessoas a adquirirem uma auto-estima saudável.


E aí, tocamos em um ponto polêmico. Há quem diga que não devemos incentivar essa área, porque já somos por natureza autocentrados e egoístas. Então, como ficamos?


A Bíblia, novamente, nos mostra o que fazer:


'Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um'.


Romanos 12.3


Moderação é a palavra chave, pois elimina as polarizações que formam os famosos complexos de inferioridade, ou superioridade. Ou seja: somos sim, miseráveis pecadores, mas Jesus veio do céu para nos salvar. Então, ao mesmo tempo em que reconhecemos nossa falha, entendemos que é exatamente ela que nos qualifica para a graça de Deus. E Ele veio porque nos amou como somos, como estamos, cheios de sentimentos desconexos e contradições.


Pode haver maior valorização do que essa? Somos especiais para Deus e quando vislumbramos seu amor temos de nos render à essa evidência.


Então, se Deus nos valorizou a esse ponto, nós também devemos valorizar os que estão ao nosso redor, sem medo de 'estragá-los'. E como podemos fazer isso? De forma bem prática e pragmática. Podemos olhar com o intuito de enxergar. Todos têm pontos positivos e negativos. Os negativos servem para que não nos vangloriemos, e os positivos para que elogiemos. Nossa tendência é reparar mais os negativos do que os positivos. Às vezes, é pela própria tendência da inveja, às vezes é por hábito, como quando fazemos uma revisão para corrigir os erros de português em um texto. Seja qual for o motivo, devemos pedir que Deus nos ajude a ver os pontos positivos e a verbalizá-los. Pessoas incentivadoras são cada vez mais raras, nesta época de egoísmo exacerbado.


Podemos nos treinar em detectar os pontos positivos e elogiá-los. Dessa forma, o ambiente em que estivermos inseridos poderá ficar mais agradável, pois pessoas incentivadas produzem mais e com isso se tornam mais realizadas e felizes.


Que possamos nos treinar a valorizar os que nos rodeiam, sejam familiares, colegas, amigos ou irmãos, pois...


'... como é boa a palavra certa, na hora certa!'


Provérbios 15.23



Iara Vasconcellos é tradutora e editora da Revista Lar Cristão. Casada com João Marcos Vasconcellos atuam na área de ensino da Igr. Bat. do Morumbi /S.Paulo.

Doença psicosomática têm fundo emocional






Doença psicosomática têm fundo emocional

A baixa-auto estima tem conseqüências nefastas nas áreas física, emocional e espiritual



Existem alguns pacientes adultos que entram nos consultórios e permanecem o tempo todo de cabeça baixa, falando com um fio de voz e, dificilmente encaram o médico. Existem outros, na maioria mulheres, que não falam o que estão sentindo, pois são sufocadas e dominadas pelo cônjuge, ou acompanhante, o qual informa os sintomas apresentados, os exames realizados e a medicação atual. Nesses casos, quando nos dirigimos ao paciente e pedimos que ele mesmo informe suas queixas, até o fazem, mas constantemente olham para o acompanhante, como que esperando aprovação por suas palavras.


Há também jovens que ao entrar pela porta, já vão se curvando, parecendo tão abatidos como se tivessem um século de vida. Ao serem perguntados sobre seus objetivos, informam:


- Não sei, doutor. Não consigo fazer nada. Tudo que me proponho a fazer dá errado!


Seus semblantes são tristes e andam cabisbaixos. Seus olhos não têm vida. São curvados como caracóis querendo se esconder dentro da casca.


Pessoas assim são acometidas, primeiramente, por uma doença emocional chamada Baixa Auto-Estima, que é de onde procedem os problemas físicos. Algumas, naturalmente, pela baixa estima passam a ter suas vidas dirigidas por outras.


A idade não conta. São adultos e crianças que crêem não ter valor. Seus sintomas estão sempre ligados ao emocional. Mesmo quando são queixas físicas, os exames complementares nada mostram. Os mais comuns são: dores migratórias pelo corpo, desânimo intenso, problemas digestivos e intestinais, depressão, problemas de pele e respiratórios, problemas de sono, pensamentos suicidas, sentimentos internos de revolta.


Em geral, essas pessoas cresceram sem saber o que é um elogio. Sem ouvir um 'eu amo você'. Viveram sempre debaixo de críticas ferinas, sendo depreciadas pelos que as cercam. Meninas com essas características costumam se entregar ao primeiro 'namorado' que as elogia e quando adultas dificilmente são felizes em seus casamentos.


Essa doença ataca homens e mulheres, não importa a idade. Outra clássica característica é que ao encontrar um revés na vida, se abatem facilmente e surgem logo com a frase chavão: 'Estava bom demais pra ser verdade' ou 'eu sabia... nada do que eu faço dá certo, mesmo!'. Eles não acreditam que uma pessoa possa ser feliz independentemente de recursos materiais, beleza física e talentos mais destacados.


Um problema que ocorre paralelamente e que impulsiona para baixo a auto-estima é o da auto-aceitação. As pessoas que não aceitam a maneira como Deus as fez, seja sua parte física, dons e talentos ou o lar em que nasceram, irão, com certeza, ter uma baixa estima no futuro. Isso pode levá-las a um conflito com o Deus Criador e a outras conseqüências nefastas na vida espiritual. Se não amam a si mesmas, como poderão amar os outros? (Pois o referencial é amar ao próximo como a nós mesmos). Como entender que Deus as ama, se não aceitam a maneira que Ele as criou? Como confiar em Deus, 'se Ele errou' ao me fazer dessa forma?


Todo esse histórico leva as pessoas a não perceber que são especiais, que não foram criadas por acaso, que suas vidas foram compradas por preço de sangue divino.


Em geral, adquire-se problemas de auto-aceitação quando se é proveniente de uma família onde só reinam críticas, os elogios são escassos e as cobranças intensas. É praticamente inevitável que essa pessoa, ao atingir as fase da adolescência e adulta, apresente uma auto-estima baixa.


Mas, há uma boa notícia: a baixa auto-estima pode ser tratada e deve passar, necessariamente, por alguns processos em que cada pessoa precisa entender que foi Deus quem a criou e que ela é muito especial para Ele.


'A primeira receita', então, é ler os dois trechos bíblicos abaixo e lembrar do imenso amor que Deus tem por nós.


Depois, olhe para a listinha do final do artigo e orando, procure dar os passos ali detalhados. A vida é preciosa, não deixe que a baixa auto-estima a roube de você!


'Por que estás abatida ó minha alma e por que te perturbas dentro em mim. Espera em Deus,


pois ainda o louvarei.'


Salmo 42.11


'Tu me cercas por trás e por diante, e sobre mim pões a tua mão. ...


Pois tu formaste o meu interior,


tu me teceste no seio de minha mãe.


Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso


me formaste...'


Salmo 139. 5 e 13,14


Você...


t ... é tão especial que Jesus morreu em seu lugar.


t ... não está solto(a), sem rumo, mas Deus tem um propósito específico para a sua vida.


t ... precisa aceitar Jesus como seu Senhor e Salvador pessoal.


t ... precisa buscar tratamento para alguma área de auto-aceitação que a incomode (defeito físico etc.).


t ... precisa fazer um tratamento com um psicólogo ou psiquiatra cristão.


t ... deve aceitar o fato que, possivelmente, precisará tomar alguns medicamentos durante o tempo de tratamento.


Nem todos precisarão tomar todos os passos. Alguns poderão não precisar de apoio psicológico, outros, sim. Uns levarão mais tempo, outros menos. Cada caso é um caso. Portanto, não deixe de dar os passos necessários, caminhar e orar. O Pai vai ao nosso lado! Quer maior incentivo?



Dr. Luiz Antonio Caseira É médico fisiatra, tendo sido professor do curso de Medicina da Universidade do RJ. É vice-diretor de 'Vencedores por Cristo', casado com Ângela e pai de dois filhos.